Amalia Rodrigues Lyrics

Overview / Lyrics (see all) / Photos / Videos / News

print correct

Lisboa Antiga Lyrics

from Art of Amalia

"Lisboa Antiga" is track #12 on the album Art of Amalia. It was written by Do Vale, Amadeu / Galhardo, Jose / Portela, Raul.
Edit
"Lisboa Antiga" is track #12 on the album Art of Amalia. It was written by Do Vale, Amadeu / Galhardo, Jose / Portela, Raul.
For Example...
What chart rank did the song debut? What is the song about? Has it won any awards?, etc.
Cancel Submit
Thank You For Your Submission
Your introduction will appear once it has been deemed awesome by our team of wizards.

Submit Corrections Cancel

Rodriguez Amalia
Miscellaneous
Lisboa Antiga
LISBOA ANTIGA (sung by Amalia Rodriguez, the queen of Fado)

Lisboa, velha cidade
Cheia de encanto e beleza!
Sempre formosa a sorrir
E' ao vestir
Sempre airosa
O branco veu de saudade
Cobre o teu rosto, linda Princesa!

Olhai, senhores,
Esta Lisboa d'outras eras
Dos "cinco reis", das esperas
E das toiradas reais
Das festas, das seculares procissoes
Dos populares pregoes matinais
Que ya nao voltam mais

Lisboa d'oiro e de prata
Outra mais linda nao vejo!
Eternamente a brincar
e a cantar de contente!
Teu semblante se retrata
No azul cristalino de Tejo!

BARCO NEGRO

De manha com medo que me achasses feia!
Acordei tremendo deitada na areia
mas logo os teus olhos disseram que nao
e o sol penetrou no meu coracao

Vi depois numa rocha uma cruz
e o teu barco negro dancava na luz
vi teu braco acenando entre as velas ja soltas
dizem as velhas da praia que nao voltas
sao loucas, sao loucas
eu sei meu amor nem chegaste a partir
tudo em meu redor
me diz que 'stas sempre comigo
No vento que lanca areia nos vidros
na agua que canta no fogo mortico
no calor do leito nos bancos vazios
no meu proprio peito 'stas sempre comigo!

E' OU NAO E'!

E' ou nao e
que o trabalho dignifica
E assim que nos explica
o rifao que nunca falha
E' ou nao e
que disto toda a verdade
e que so por dignidade
no mundo ninguem trabalha
orquestra
E' ou nao e
que o povo nos dis que nao
que o nariz nao e feicao
seja grande ou delicado
no meio de cara
tem por forca que se ver
mesmo a quem nao o meter
onde nao e chamado

E' ou nao e
que un velho que a rua saia
pensa ao ver a mini-saia
este mundo esta perdido
mas se voltasse
agora a ser rapazote
acharia que o saiote
e muitissimo comprido

E' ou nao e
bondoca a humanidade
todos sabem que a bondade
e que faz ganhar a ceu
mas a verdade
nua sem salamaleque
que tive de aprender e que
ai, de mim se nao for eu

ESTRIBILHO:
Digam la se e assim ou nao e
ai nao nao e ai nao nao e
Digam la se e assim ou nao e
ai nao nao e - Pois e

FADINHO SERRANO

Muito boa noite
Senhoras, senhores!
La na minha terra
ha bons cantadores,
ha bons cantadores,
boas cantadeiras
Choram as casadas
cantam as solteiras
cantam as solteiras
cantigas de amores
Muito boa noite
Senhoras, senhores!

O rapaz, conheco
bem a tua ronha
ha falinhas mansas
que escondem peconha
que escondem peconha
fazem prejuizo
pede a Santo Antonio
que te de juizo
que te de juizo
Cara sem vergonha
o rapaz, conheco
bem a tua ronha

Fadinho catita
e tao a meu gosto!
Fadinho Serrano
sempre bem disposto
sempre bem disposto
Seja tarde ou cedo.
Fazer bons amigos
e o teu segredo
sorrir ao desgosto
Fadinho catita
e tao a meu gosto!

Confiar nos homens
e crer no diabo
sao todos fingidos,
ao fim e ao cabo
ao fim e ao cabo
moca que namora
se vai nas cantigas,
e certo que chora
e certo que chora
e com esta acabo:
confiar nos homens
e crer no diabo

SOLIDAO

Solidao de quem tremeu a tentacao
do ceu e dos encantos que o ceu me deu
serei bem eu sob este veu de pranto
sem saber se sou eu que canto
A tremer imploro o ceu fechado.
triste amor o amor de alguem
quando outro amor se tem abandonado
Ai nao me abandone por mim ninguem
ja se deteu na estrada
tristo amor o amor de alguen
quando outro amor se tem abandonado

MEIA NOITE

Meia noite e uma guitarra meia vida por viver
e a saudade que se agarra ao cantar de uma mulher
meia noite e uma guitarra, meia vida por viver
pelas ruas mais sombrias passo o tempo que passou
serenatas de outros dias que a voz do tempo cantou
E loucura sem sentido caminhar por onde vou
viver e estar perdido morrer e estar onde estou
Meia noite e metade de viver, meia vida por viver
guitarra triste esquecida que ninguem sabe entender
Meia noite e meia vida sen ninguem pra me entender

Songwriters
DO VALE, AMADEU / GALHARDO, JOSE / PORTELA, RAUL

Published by
Lyrics © Peermusic Publishing